Revista Brasileira de Direito Urbanístico - RBDU

Revista Brasileira de Direito Urbanístico - RBDU
ISSN impresso: 2447-2026
ISSN digital: 2448-1386
Periodicidade: semestral

A Editora Fórum e o Instituto Brasileiro de Direito Urbanístico (IBDU) apresentam o primeiro número da Revista Brasileira de Direito Urbanístico – RBDU, periódico semestral que nasce como espaço de excelência para a difusão do pensamento crítico sobre temas relacionados à política urbana e suas implicações na ordem jurídica.

A produção acadêmica em Direito Urbanístico tem sido crescente, movimento que se consolida devido a um aumento de questões urbanísticas que demandam uma resposta da comunidade jurídica. Cada vez mais, acadêmicos e profissionais são instados a repensar o modelo de urbanização brasileira e suas relações com o Direito.

A aplicação dos instrumentos jus-urbanísticos e a complexidade cada vez maior dos conflitos que marcam nossas cidades exigem a emergência de uma nova compreensão sobre o papel do Direito como instrumento de justiça urbana. Por isso, o interesse por uma literatura e uma formação mais específicas aumentou significativamente nos últimos anos, demandando um maior número de canais de difusão da produção científica de qualidade.

Nesse contexto, a RBDU nasce com a importante missão de reunir estudos atuais que sejam capazes de dialogar com as múltiplas realidades urbanas do país. Esse é, portanto, um desafio coletivo que aglutina juristas e pesquisadores de diferentes instituições e regiões do Brasil, preocupados em refletir sobre as questões urbanísticas em sua complexidade.

A parceria entre a Editora Fórum e o IBDU marca um sólido início para esse projeto coletivo, por reunir duas instituições com profundo conhecimento da área. Contudo, temos clara noção de que a adesão de pesquisadores de referência é fundamental. Por isso, reunimos um grupo de professores de excelência de conceituadas universidades do país e do exterior para compor o Conselho Editorial da Revista. Assim, agradecemos a esses colegas que, conosco, assumiram o desafio de construir um periódico do mais alto nível: Dr. Alex Ferreira Magalhães (UFRJ); Dr. Álvaro Sanchez Bravo (Universidad de Sevilla, Espanha); Dra. Betânia de Moraes Alfonsin (PUCRS); Dr. Daniel Gaio (UFMG); Dra. Daniela Campos Libório (PUC-SP); Dr. Edésio Fernandes (University College London, Reino Unido); Dr. Emerson Gabardo (UFPR e PUCPR); Dra. Marinella Machado Araújo (PUC Minas); Dra. Marise Costa de Souza Duarte (UFRN); Dr. Nelson Saule Junior (PUC-SP); Dr. Paulo Afonso Cavichioli Carmona (UNICEUB) e Dr. Thiago Marrara de Matos (USP).

O Direito à Cidade, incorporado como diretriz da política urbana na ordem jurídica brasileira, provoca um novo olhar sobre a cidade e as instituições. Essa visão peculiar está presente nos artigos que compõem este primeiro número, todos de autoria de pesquisadores com profundo conhecimento da área.

Paulo Carmona abre a seção de artigos com uma importante discussão acadêmica sobre o conceito e o objeto do Direito Urbanístico. A partir de dois critérios distintos, o material e o substancial, o autor posiciona o Direito Urbanístico como sub-ramo do Direito Público e, em seguida, estabelece seu objeto como sendo a organização dos espaços habitáveis. Ao fim, propõe como sua finalidade a busca da qualidade de vida da coletividade. Esse debate teórico tem reflexos práticos importantes na aplicação das normas urbanísticas na medida em que as situa no quadro jurídico-institucional.

A seguir, os artigos de Betânia Alfonsin, Luiz Alberto de Souza e Ligia Melo, a partir de diferentes enfoques, problematizam os desafios do planejamento urbano para que se construam cidades mais democráticas, diversas, sem riscos para seus habitantes e garantidoras de direitos.

Julia Franzoni e Thiago Hoshino apresentam um debate atual em torno das regiões metropolitanas e seu recente estatuto, a Lei Federal nº 13.089/2015. Os autores expõem as disputas de interesses e os conflitos relativos ao planejamento urbano-regional. Defendem a concretização do direito à cidade, com base na cida­dania metropolitana (a metrópole vivida cotidianamente) e pela função social da metró­pole (justiça espacial), reconhecendo que a produção do território que extrapola as fron­teiras político-administrativas fictícias dos municípios isoladamente.

Adiante, Debora Sotto debate o caso do conflito sobre a implantação do Parque Augusta, na cidade de São Paulo. Analisa as teses jurídicas e os interesses divergentes sobre a destinação do imóvel, sintetizados em duas pretensões mutua­mente excludentes: de um lado, a desapropriação do imóvel particular para implan­tação de um parque de domínio público, aberto à livre circulação e gerido pelo Poder Público com a participação da comunidade, pretendida pelos movimentos sociais com apoio da Câmara de Vereadores e do Ministério Público; e de outro lado, a construção de um empreendimento privado, composto por edifícios de uso misto e um parque privado, “aberto à fruição pública”, mas sob o domínio e gestão de particulares, pretendida pelos empreendedores imobiliários com anuência do órgão municipal de preservação do patrimônio histórico-cultural da cidade e apoio de uma das associações de moradores do entorno.

Daniela Libório articula os instrumentos urbanísticos com o Programa Nacional de Direitos Humanos, promovendo um necessário e importante debate sobre o papel da legislação urbanística para a promoção dos direitos fundamentais, em sintonia com os objetivos fundamentais da República.

Leandro Franklin, por sua vez, situa a questão urbana no contexto das relações de gênero. Nesse sentido, propõe pensar o Direito como uma construção generificada que implica em uma perspectiva masculina.

Em seguida, Henrique Frota discute a exigibilidade do direito social à moradia adequada, um dos componentes historicamente associados ao direito à cidade.

Alex Magalhães oferta uma importante reflexão sobre aspectos metodológicos da pesquisa em Direito Urbanístico. A partir de estudos realizados em duas favelas da cidade do Rio de Janeiro sobre as instituições regulatórias operantes em relação ao controle da propriedade de terrenos e do direito de edificar nessas localidades, o trabalho reflete sobre os desafios metodológicos e epistemológicos da pesquisa empírica.

Nelson Saule Júnior e Bruno Vieira trazem uma discussão interdisciplinar, rela­cionando o Direito Urbanístico com o Direito Tributário e o Ambiental. Partindo da teoria da função promocional do Direito, de Norberto Bobbio, os autores constroem um fundamento científico para debater a proteção do meio ambiente urbano e as funções sociais da cidade e da propriedade.

Por fim, encerramos este primeiro número com um Parecer elaborado pelo IBDU e apresentado em conjunto com o Conselho de Arquitetura e Urbanismo e o Instituto dos Arquitetos do Brasil aos ministros do Supremo Tribunal Federal no âmbito do Recurso Extraordinário nº 607.940. Trata-se de ação que questiona a constitucionalidade da Lei Complementar nº 710/2005 do Distrito Federal, que autoriza a constituição de “Projetos Urbanísticos com Diretrizes Especiais para Unidades Autônomas”, os conhecidos condomínios fechados.

Com o presente número, inauguramos um novo e frutífero momento do Direito Urbanístico brasileiro, avançando para a construção de cidades mais justas, demo­cráticas e equilibradas.

Instituto Brasileiro de Direito Urbanístico

 

 
E-mail para remessa de artigos, pareceres e contribuições: conselhorevistas@editoraforum.com.br
5
Revista Brasileira de Direito Urbanístico - RBDU
Belo Horizonte, ANO 3, N. 5, jul. 2017
Expediente RBDE

Revista Brasileira de Direito Urbanístico – RBDU

 

Coordenadora-Geral
Lígia Maria Silva Melo de Casimiro

 
Coordenador Adjunto
Rodrigo Iacovinni

Conselho Editorial

Dra. Adriana Nogueira Vieira Lima (UEFS)
http://lattes.cnpq.br/1797614329766910

Dr. Alex Ferreira Magalhães (UFRJ)
http://lattes.cnpq.br/9383871504452656

Dr. Álvaro Sanchez Bravo (Universidad de Sevilla, Espanha)
http://lattes.cnpq.br/5084987763906138

Dra. Betânia de Moraes Alfonsin (PUC/RS)
http://lattes.cnpq.br/2759534639224252

Dr. Claudio Oliveira de Carvalho (UESB)
http://lattes.cnpq.br/8313743261334435

Dr. Daniel Gaio (UFMG)
http://lattes.cnpq.br/3860243568106899

Dra. Daniela Campos Libório (PUC/SP)
http://lattes.cnpq.br/7582517839705764

Dr. Edésio Fernandes (University College London, Reino Unido)
http://lattes.cnpq.br/8715939045729830

Dr. Emerson Gabardo (UFPR e PUC/PR)
http://lattes.cnpq.br/3091904591160385

Dra. Marinella Machado Araújo (PUC/MG)
http://lattes.cnpq.br/9567055202539882

Dra. Marise Costa de Souza Duarte (UFRN)
http://lattes.cnpq.br/8614705824393576

Dr. Nelson Saule Junior (PUC/SP)
http://lattes.cnpq.br/7226929140345329

Dr. Paulo Afonso Cavichioli Carmona (UNICEUB)
http://lattes.cnpq.br/0471763465230262

Dr. Thiago Marrara de Matos (USP)
http://lattes.cnpq.br/5001783167154079

 

 

Comitê de Pareceristas desta Edição

Adriana Nogueira Vieira Lima; Alex Ferreira Magalhães; Betânia de Moraes Alfonsin; Bianca Tavolari; Bruno Soeiro Vieira; Danielle Cavalcanti Klintowitz; Debora Sotto; Fernando Guilherme Bruno Filho; Guadalupe Maria Jungers Abib de Almeida; Henrique Botelho Frota; João Aparecido Bazolli; Kleidson Nascimento dos Santos; Lígia Maria Melo de Casemiro; Marcelo Eibs Cafrune; Mariana Levy Piza Fontes; Mariana Mencio; Marise Costa de Souza Duarte; Miguel Etinger de Araujo Junior; Paulo Afonso Cavichioli Carmona; Raphael Bischof dos Santos; Sabrina Durigon Marques; Thiago de Azevedo Pinheiro Hoshino; Vanêsca Buzelato Prestes

 
 
© 2017 Editora Fórum Ltda.
Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução total ou parcial, de qualquer forma ou por qualquer meio eletrônico ou mecânico, inclusive por meio de processos xerográficos, de fotocópias ou de gravação, sem permissão por escrito do possuidor dos direitos de cópias (Lei nº 9.610, de 19.02.1998).

Luís Cláudio Rodrigues Ferreira
Presidente e Editor
 
 
CRÉDITOS
 
Publicação digital
Supervisão,  Revisão e Suporte Técnico:
Romério Lacerda, Phellipp Adelário

 

Publicação impressa
Supervisão editorial: Leonardo Eustáquio Siqueira Araújo
Capa: Igor Jamur
Projeto Gráfico: Walter Santos
 
Os conceitos e opiniões expressas nos trabalhos assinados são de responsabilidade exclusiva de seus autores.